Domingo, 25 de Novembro de 2007

O que é uma perturbação mental?

Cada perturbação (distúrbio, transtorno) mental é conceptualizada como um comportamento clinicamente significativo ou síndrome psicológica ou padrão que tem lugar num sujeito e que está associado com ansiedade actual (e.g., um sintoma doloroso) ou incapacidade (e.g., incapacidade em uma ou mais áreas importantes de funcionamento) ou com um significativo risco aumentado de sofrer morte, dor, incapacidade ou uma importante perda de liberdade. A juntar a isto, esta síndrome ou padrão deve ser não apenas uma resposta expectável e sancionável culturalmente a um acontecimento particular, por exemplo, a morte de uma pessoa querida. Qualquer que seja a sua causa original, deve ser correntemente considerada como uma manifestação de um comportamento, disfunção psicológica ou biológica no sujeito. Nem um comportamento desviante (e.g., político, religioso ou sexual) nem conflitos que são primários entre o sujeito e a sociedade são perturbações mentais até que o desvio ou conflito se transforme num sintoma de uma disfunção do sujeito, como se descreve acima (American Psychiatric Association, 1996).

O termo «transtorno» é usado por toda a classificação CID-10, de forma a evitar problemas ainda maiores inerentes ao uso de termos tais como «doença» ou «enfermidade». «Transtorno» não é um termo exacto, porém é usado aqui para indicar a existência de um conjunto de sintomas ou comportamentos clinicamente reconhecível associado, na maioria dos casos, a sofrimento e interferência com funções pessoais. Desvio ou conflito social sozinho, sem disfunção pessoal, não deve ser incluído em transtorno mental, como aqui definido (World Health Organization, 1993).

 

publicado por alexandreramos às 08:02
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
|
Quinta-feira, 1 de Novembro de 2007

O conhecimento científico é aberto

Nunca é de demais relembrar que o conhecimento científico é considerado aberto, pois:

 

a) não conhece barreiras que, a priori, limitem o conhecimento. A Ciência não dispõe de axiomas evidentes: até os princípios mais gerais e "seguros" constituem postulados que podem ser mudados ou corrigidos;

 

b) a Ciência não é um sistema dogmático e cerrado, isto é, constitui um sistema aberto porque é falível e, em consequência, capaz de progredir: quando surge uma nova situação, na qual as leis existentes se revelam inadequadas, a Ciência propõe-se a realizar novas investigações, cujos resultados induzirão à correcção ou, até à total substituição das leis incompatíveis; e,

 

c) dependendo dos instrumentos de investigação disponíveis e dos conhecimentos acumulados, até certo ponto está ligado às circunstâncias da sua época: a aplicação de novos instrumentos e técnicas pode aprofundar as investigações, ao passo que o meio natural ou social pode sofrer modificações significativas. Dessa maneira, podem-se considerar os sistemas de conhecimento como organismos vivos, que crescem e se modificam, assegurando o progresso da Ciência (Lakatos & Marconi, 1991).

 

A não ser assim, a Ciência poderia vir a constituir uma seita (de cientistas) com respostas simples e claras (Simões, 1996b).

publicado por alexandreramos às 16:13
link do post | comentar | favorito
|

Os 3 níveis de conhecimento científico

Faz-se, hoje, uma distinção em relação aos três níveis de conhecimento científico:

 

1. o inorgânico, estudado pelas ciências físicas;

2. o orgânico, investigado pelas ciências biológicas;

3. o superorgânico, abrangido pelas ciências sociais.

 

Os três níveis encontram-se inter-relacionados, e a transição de um para outro é gradativa. O superorgânico é observado no mundo dos seres humanos em interacção e nos produtos dessa interacção: linguagem, religião, filosofia, ciência, tecnologia, ética, usos e costumes e outros aspectos culturais e da organização social. Portanto, ao estudar o superorgânico, as ciências sociais têm o seu interesse voltado para o homem em sociedade. As ciências sociais ou humanas englobam: Antropologia Cultural, Direito, Economia, Política, Psicologia Social e Sociologia. No entanto, há autores que consideram também como ciências sociais ou humanas ramos de estudo, tais como: História, Geografia Humana, Ecologia Humana, etc. (Lakatos & Marconi, 1999).

publicado por alexandreramos às 16:02
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

.Julho 2015

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.posts recentes

. Sobre o autor

. Será o fim do mundo um es...

. Sobre o autor

. Fantasmas

. Inteligência Espiritual

. Vem aí o fim do mundo?

. Kundalini awakening

. Delírio de grandeza

. Egos inflados

. Escalas de medida da vari...

.arquivos

. Julho 2015

. Abril 2011

. Outubro 2010

. Maio 2009

. Dezembro 2008

. Outubro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Março 2008

. Janeiro 2008

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

blogs SAPO

.subscrever feeds